Voltaic Trio – 290421

“1, 2…1, 2, 3, 4!” é o grito de partida dado antes da brutal descarga eléctrica que se lhe sucede, e que se prolonga durante praticamente 45 minutos. A origem desta estrondosa trovoada? Os Voltaic Trio, grupo de alta tensão formado durante a pandemia por Luís Guerreiro (trompete e electrónica), Jorge Nuno (guitarra eléctrica) e João Valinho (bateria). Conhecíamos já a experiência de João Valinho nas lides da improvisação e do metal, a de Jorge Nuno no rock e improvisação de faceta psicadélica, e a de Luís Guerreiro no processamento electrónico do trompete e sua inclusão em distintos conceitos musicais. Ainda assim, nada poderia indiciar que a junção destes três músicos resultaria em música tão brutalmente intensa, cacofónica, alucinante, e psicadélica. Os sucessivos confinamentos certamente que contribuíram para acumulações de energia que tinham de ser canalizadas para algum lugar. Mesmo assim, a intensidade ininterrupta deste 290421, que foi editado pela Phonogram Unit, ultrapassa a simples necessidade de encontrar formas alternativas de criação e actuação: é uma verdadeira catarse o que aqui se passa; um exorcismo puro, duro, cru e cruel. Em termos sónicos, o que se escuta neste trabalho soa tanto a Earthless em esteroides como a alguma da música mais pesada criada pela dupla nipónica Tatsuya Yoshida & Risa Takeda. É tanto rock, como jazz; tanto metal, como improvisação. É electrónica distorcida e embrenhada em percussão de altas rotações e noise psicadélico. É tudo isto e mais alguma coisa, qual foguetão que viaja em direcção ao maior buraco negro do universo. É um caleidoscópico de fractais com brilho ultra-intenso, fulguroso, incandescente, que projecta formas que assumem os mais distorcidos e aberrantes contornos. É radicalização da intensidade musical, aqui levada ao extremo. Os instrumentos fundem-se, unificam-se, indiferenciam-se, voltam a separar-se, isolam-se, gritam, lutam, fogem, saltam… Ufa! E nos breves momentos em que o trio inala profundamente, por momentos refreando o seu ímpeto destruidor… logo volta a exalar uma longa e turbulenta baforada!, expelindo freneticamente todos os males há muito acumulados em suas entranhas. Se há trabalhos a que não se fica indiferente, 290421 é certamente um deles. Música para os mais bravos e destemidos.